capa.png

Uma experiência de aprendizado para transformar sua forma de ver o mundo

e de fazer moda com identidade e consciência socioambiental.

O QUE É?

 

O nome Ewa Poranga significa beleza, nas línguas Yoruba e Tupi Antigo, respectivamente. Somos uma escola livre de ensino de moda pluricultural. Costuramos os diversos saberes e fazeres dos povos originários na moda com corpo docente de mestres afrodescendentes e africanos, indígenas brasileiros e latino americanos e descendentes asiáticos.

COMO?

 

Nossas atividades acontecem em formato EAD com encontros híbridos: online/presencial, teórico/prático, estimulando as conexões Sul-Sul entre saberes africanos, ameríndios e asiáticos.

PARA QUEM É?

 

Artevistas, curiosos, amantes da diversidade cultural brasileira, agentes criativos, líderes de novos modos operacionais, pesquisadores de ação, designers e criadores de novos mundos, artistas regionais e globais, comunicólogos engajados, educadores transgressores e inquietos, pessoas interessadas em desenvolver experiências inesperadas, significativas, libertárias, engajados na combate a desigualdade através da arte e da cultura.

Formamos pessoas livres do pensamento eurocentrado, com olhares ampliados para a criação de moda autenticamente brasileira, que agem através de ecossistemas de troca de conhecimento com impacto social em equilíbrio com o planeta.

mandala-21.png

CIRCULAR: aprendizado contínuo e acessível a todos, constante aprofundamento, futuro conectado ao passado.

INTEGRAL: corpo e mente, estímulos intelectuais e sensoriais, desbloqueios cognitivos.

ECOSSISTÊMICA: sem hierarquias, descentralizada, em expansão constante, alternância de posições aprendiz e educador, conectados com sociedade e impactos/soluções de impacto social e ambiental.

CONHEÇA NOSSOS MESTRES

O ecossistema de docentes da escola se compõe por professores endógenos, que falam a partir de sua própria cultura. Isso se torna possível pelas parcerias institucionais como:

JuliaXavante_2.jpeg

Julia Xavante

Integrante do povo Xavante, professora de artes da rede pública, coordenadora das atividades de arte da Universidade Pluriétnica Indígena Aldeia Maracanã (UIPAM) e curadora de mestres indígenas para os cursos Ewa Poranga.

foto_filmar_Puri.jpeg

Dilmar Puri

Integrante do povo Puri, filósofo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) com ênfase em estética e história da arte, mestrando em relações étnico-raciais pelo CEFET-RJ, membro da Universidade Pluriétnica Indígena Aldeia Maracanã (UIPAM) e educador Ewa Poranga. É autor do livro Cosmovisões X moda, qual é a sua tendência? contribuições para uma moda étnica e ética.

PapionCristiane.jpg

Papiõn Cristiane Carla

Pertencente aos povos indígenas do Oiapoque, especializada em direito indígena pela PUC-RJ e educadora Ewa Poranga. Criadora do Observatório Cultural das Aldeias (OCA), gestora de associação de artesãs indígenas, idealizadora do Piá Bonecos Étnicos compondo o projeto pedagógico: Museu do Índio vai à escola e conselheira da secretaria do CONEPLIR, Conselho Estadual de Defesa e Promoção da Liberdade Religiosa.

Kaká Portilho

Designer de moda, internacionalista, especialista em neurociência e física da consciência, doutoranda do curso de Antropologia social e educadora Ewa Poranga. Kaká é filha de Jacintha Ferreira e Vanice Portilho, mangueirense de nascimento de nação, orgulhosamente candomblecista, ativista que movimenta-se em prol do Direito a Ter Direito aos irmãos afro-panorâmicos. Fundadora e presidente do Instituto Hoju. Coordenadora do Centro de Altos Estudos e Pesquisas Afro-pindoramicas e do PPMAEE da Univerkizazi/UKAY. Fundadora da Sociedade Matriarcado Afreekana no Brasil, Co-fundadora do Afreaka Brasil Fashion Bussiness.

Daise_Rosas.jpg

Daise Rosas

Psicóloga, Mestre em Educação, moderadora de negócios e parcerias nos encontros ecossistêmicos Ewa Poranga. Mentora MentPreta Programa de Mentoria da REAFRO, Diretora Regional Rio de Janeiro  ECOWAS Brazil Chamber of Commerce e  moderadora de negócios internacionais do Afreaka Brasil Fashion Bussiness.

Relab Criativo, Centro de Pesquisa Educacional e Startup de impacto sócio-ambiental e econômica.

Luiza.jpeg

Luiza Tamashiro

É asiática-indígena, mãe, vegana, designer de moda com ênfase em marketing, publicitária, produtora cultural de formação e educadora Ewa Poranga. Realiza pesquisas de saberes ancestrais e plantas medicinais, moda, gênero e cultura,  é gestora de pessoas e projetos de inteligência coletiva, educadora e consultora educacional na implementação da Moda Plural. Tem como missão humanizar relações e experiências de acordo com as necessidades das pessoas pluridiversas. É idealizadora e Co-fundadora do @relab.criativo.

JuliaVidal.jpg

Julia Vidal

 Descendente dos povos Marajoaras (PA) e de africanos, designer gráfico e de moda, pós Graduada em História – África Brasil, mestra em Relações Étnicorraciais, gestora da marca que leva seu próprio nome Julia Vidal .: Etnias Culturais, Idealizadora, coordenadora e educadora Ewa Poranga. Professora de Narrativas afro-indígenas na moda brasileira no  Istituto Europeo di Design Brasil (Rio e SP), de Antropologia social no MBA de Visagismo na Universidade Monitor (SP) e Membro da Universidade Indígena Pluriétnica Aldeia Marakanà (UIPAM), curadoria de moda e educacional Afreaka Brasil Fashion Bussiness.

CERTIFICAÇÃO

logo_fundo transparente_Prancheta 1 cópi

Nossos cursos recebem chancela da  Ewa Poranga / Julia Vidal: Etnias Culturais, Universidade Pluriétnica Aldeia Marakanà, Afreaka Brasil Fashion Bussiness e Relab Criativo.

Seja um apoiador da educação pluricultural de moda! Faça esta escola florescer ainda mais. Como?

icones-21.png

SEMENTE

Seja um aluno da escola. Nossos aprendizes são sementes de transformação que agem dentro de uma comunidade de troca de saberes contínuos a partir da inscrição na escola. 

icones-19.png

ANINHAMENTO

Seja um padrinho ou madrinha de um aluno. Você poderá contribuir aninhando uma semente que não tem condições financeiras de se matricular na escola. As sementes aninhadas serão indígenas, negros, pessoas periféricas.

Faça sua contribuição e dividiremos entre nossas sementes que estão à espera de um aninhamento

icones-20.png

SOLO FÉRTIL

Ajude a construir a 1ª escola de moda pluricultural.
Sua contribuição irá viabilizar:


Nossos cursos
Nossas rodas de conversa:
ciclos de debates públicos, abertos e gratuitos ao grande público.
Produção de materiais didáticos para o ensino da moda pluricultural.
Fomentando o ecossistemas de inovação produzidos por nossas sementes. Estas iniciativas visam apresentar soluções para problemas do mercado e/ou sociedade, apresentando materiais e pesquisas de inovação que alimentem a criação de uma nova realidade no grande mercado de moda.

“Ewa poranga traz de uma forma contundente o que mais precisamos na hora de pensar e ensinar moda: a nossa pluriculturalidade, presente nos nossos povos originários e nos grupos entendidos como “minoritários”, mas que não somos minorias. Se temos uma moda eurocentrada, hegemônica, essencialmente magra, branca, cisgênera, ela não está refletindo o que a moda e o mundo são, e principalmente para onde nós queremos que ele vá. Por isso é muito importante a gente recontar esta história, valorizando e revertendo apagamentos históricos. Agora nós temos este espaço, que é a Ewa Poranga para que esta história seja contada por quem deve ser contada, para que possamos propor um olhar decolonial no ensino de moda. Ewa Poranga promove de forma acessível um conteúdo tão importante como este, com uma diversidade nos corpos docente e discente, Ewa Poranga é uma revolução!”

Dudu Bertholini
Comunicador de moda multidisciplinar, diretor criativo e stylist
BASE_FUNDO-05.png

QUEM SOU EU?

Sou uma contadora de histórias não contadas pela moda brasileira. Há 17 anos criei minha 1ª marca de moda porque a moda que encontrava não me representava. Junto com outros designers e estilistas que fazem a moda afro-brasileira e indígena, não encontrei esta representatividade na dita moda brasileira. Buscando estabelecer pontes e reconectar pessoas com suas próprias histórias, desenhei coleções e figurinos apresentados em palcos e eventos nacionais e internacionais. Para pensar e fazer moda brasileira não encontrei bibliografias nem mesmo cursos que apresentassem uma moda recheada de pluralidade... sempre me disseram que o consumidor não se interessava pela “moda étnica”, que moda brasileira não tinha nada a ver com “as indumentárias” da moda afro-brasileira/indígena/pluricultural. Eu me cansei de procurar e resolvi usar a minha pesquisa e criatividade para contar histórias apagadas pela moda brasileira, escrevendo livros e cursos de moda pluricultural, inclusiva e sustentável.

Sou designer de moda, educadora e pesquisadora especializada nas etnias culturais brasileiras. Pós Graduada em História – África Brasil, laços e diferenças, mestra em Relações étnicorraciais, gestora da Julia Vidal .: Etnias Culturais, e tenho como propósito desenvolver marcas de moda e educação que valorizam a diversidade cultural brasileira e idealizadora da Escola de Moda Pluricultural, Ewa Poranga. 

Hoje são 4 livros lançados, o primeiro deles é recordista de vendas com 2 edições esgotadas no mercado, os conteúdos e cursos foram para o SPFW e para  Istituto Europeo di Design. “O Brasil não conhece o Brasil”* e pior, ainda tem preconceito de ser brasileiro, porém o que quase ninguém sabe que a moda mais vendida internacionalmente, é a moda indígena brasileira, àquela que vocês conhecem como moda praia brasileira e que bebe na fonte de modelagens e na forma de ser e de viver indígena, o que chamam de “life style brasileiro”.

Depois de alguns prêmios ganhos pela inovação do trabalho, como o Economia Criativa do MINC e o reconhecimento internacional "Empresas inspiradoras ao redor do mundo" pela Shell Live Wire, quero dividir este caminho que transformou a escassez de informação e de identidade em oportunidade e abundância!

 Convido você a conhecer a verdadeira identidade brasileira se conectando com consumidores brasileiros e histórias não contadas através da Ewa Poranga.

 

*palavras de Aldir Blanc

mandala-18.png